13 de mar de 2012

Saiba mais sobre os órgãos fundamentais da Sociedade Anônima: assembleia geral, (ii) conselho de administração, (iii) diretoria e (iv) conselho fiscal.


 Conforme prometido, hoje vamos abordar os 4 principais órgãos da sociedade anônima, são eles:

(i)            a assembleia geral;
(ii)          o conselho de administração;
(iii)         a diretoria; e
(iv)         o conselho fiscal.


Como já mencionamos semana passada, o estatuto social da companhia poderá deliberar sobre a criação de outros órgãos da sociedade para desenvolvimento de seu objeto social.

O primeiro órgão a ser analisado é a assembleia geral. Ela é o órgão de decisão superior da companhia e é formado pelo conjunto de todos os acionistas, independentemente da espécie de ação que estes possuam. A assembleia tem poder para, entre outros, aprovar e reformar os estatutos sociais, eleger e destituir os conselho de administração e fiscal, além da diretoria; e ainda, aprovar, a cada ano, as demonstrações financeiras da companhia.

O conselho de administração é um organismo composto por no mínimo 3 acionistas cuja designação é ajudar à diretoria nas estratégias da companhia. A existência de um conselho de administração é em regra, facultativa, sendo obrigatória em somente 3 hipóteses: (i) companhia aberta, (ii) sociedade de capital autorizado e (iii) sociedade de economia mista.


O órgão que governa a companhia e que executa as determinações da assembleia geral e do conselho de administração é a Diretoria. Ela pode ser ocupada por acionistas ou por terceiros por estes contratados e deve ser composta sempre por, no mínimo, 2 pessoas físicas. Até um terço dos membros do conselho de administração pode integrar, também, a diretoria. Os administradores não respondem com seu patrimônio pessoal pelas obrigações da sociedade anônima, porém, evidentemente, são responsáveis pelos abusos que eventualmente cometerem no exercício de suas funções.

 A Diretoria é, também, a representante legal da sociedade anônima.

Por último, existe o conselho fiscal a quem cabe a fiscalização e controle dos órgãos de administração. É importante frisar que apesar de sua existência ser obrigatória, o seu funcionamento propriamente dito é facultativo, melhor dizendo, seu funcionamento depende da vontade dos acionistas.



Comentários




2 comentários:

  1. Parabéns pelo seu trabalho, me ajudou bastante aqui em um trabalho de Direito empresarial.
    Continue assim.

    ResponderExcluir
  2. Alana Pinheiro, obrigada pelo feedback. A proposta de nosso blog é exatamente fornecer - todas as 3a e 5a feiras - , gratuitamente, informações específicas de direito empresarial e societário, em linguagem popular. Caso tenha interesse, você pode seguir o nosso Twitter @Advcaetano, nossa página no Facebook, ou ainda se inscrever no próprio blog para receber as atualizações semanais. Atenciosamente, Caetano Advogados

    ResponderExcluir